Posts tagged “Daniel Pinchbeck

Novo espaço para discutir o livro 2012

A Anadarco editora & comunicação, responsável pela publicação do livro 2012, o ano da profecia maia, de Daniel Pinchbeck está centralizando suas ações de divulgação de trabalhos e informações, inclusive do livro. A partir de agora, fique por dentro das novidadescno no novo blog: www.anadarco.wordpress.com.


Advertisements

Observadores Celestiais

Zecharia Sitchin dedicou boa parte de sua vida aos estudos sobre a origem humana.

Sempre procurou entender os sincretismos entre as culturas, sobretudo entre as culturas arcaicas. Para ele, os primórdios das civilizações está nos Sumérios que viveram na Mesopotâmia (atual Iraque), cujas tradições, formas de pensamento e sistemas de leis influenciaram toda a história da humanidade. Dessa forma, para Sitchin, há paralelos entre as histórias bíblicas e as tradições “pagãs”, entre o Oriente e o Ocidente.

Uma de suas teorias mais ousadas é a de que os seres humanos descendem de extra-terrestres, o que, segundo Sitchin, pode ser comprovado não só por meio dos registros escritos sumérios, bíblicos, egípcios  e das sociedades antigas da América Central (maias, incas e astecas), como também pelas marcas deixadas na paisagem. Para Sitchin, obras grandiosas como as pirâmides maias e egípcias, as colunas de Stonehenge e as esculturas da Ilha de Páscoa foram obras de nossos ancestrais, os moradores de outros planetas.

O arquivo linkado é a primeira parte do capítulo “Observadores Celestiais na Selva”, do livro “Os reinos perdidos”  (The lost realms), publicado em 1990.  Nele, Sitchin descreve como os maias eram um povo “obcecado” pela contagem do tempo e pela observação celestial. Também associa as divindades maias a eventos bíblicos, sugerindo que essas semelhanças não são mera coincidências.

Com imagens e rico em informações, o capítulo da obra de Sitchin permite que conheçamos mais a fundo uma abordagem sobre a civilização maia e seu impacto na cultura ao longo dos séculos.


Uma obra para a vida toda

Karin Thrall – doutora em Comunicação e Semiótica (PUC/SP), editora na Anadarco Editora &Comunicação

O livro 2012:o ano da profecia maia (título original, 2012: the return of Quetzalcoatl) surgiu a partir de uma inquietação do autor quando beirava seus trinta anos e era jornalista de grandes revistas de moda e design em Nova York. Naquela época, Daniel Pinchbeck passou a não mais engolir o que a mídia e a cultura ao seu redor lhe ofereciam como explicação para o funcionamento do mundo. Como muitos de nós, achou que deveria haver alguma outra forma de se lidar com a vida, algo que pudesse ir além de escrever matérias fúteis sobre sapatos, de aceitar passivamente que a natureza ao nosso redor seja destruída e que os sistemas econômicos gerem cada vez mais um número maior de excluídos. 2012: o ano da profecia maia é o resultado dessa inquietação.

Para ler o artigo na íntegra, clique no link.


Comece a ler antes do 21/12/2012

Hoje é 21 de dezembro e estamos a exatos 2 anos  da data que a profecia maia anuncia como o retorno de Quetzalcoátl, a serpente plumada, o deus meio Zaratustra, meio Dionísio que representa o final de  um ciclo da humanidade e o início de outro.

Às vezes fica difícil imaginar se a humanidade realmente atingirá um outro patamar de consciência, um modo de estar no mundo que favoreça menos a materialidade, o prazer e o lucro instantâneos e valorize mais as experiências, os projetos de longo prazo, a sensação de que se está fazendo algo por um ideal maior do que a vida de uma geração.

Digo isso por um efeito em cascata que é fácil de notar: cada vez mais, as pessoas leem menos. Isso é notório no Brasil. Se por um lado a internet proporciona um arcabouço gigantesco de informações, a grande maioria das pessoas não tem paciência de ler algo que vá além de algumas poucas linhas, que aprofunde e explique uma ideia ou um  tipo de pensamento.

Enganam-se aqueles que acham que a leitura é algo puramente racional. Pelo contrário: embrenhar-se na leitura é deixar-se levar pelos sentidos, é entrar em um universo paralelo por alguns instantes. É, efetivamente, sentir o que o autor e sua história propõem.

Mas isso requer treino. Requer repetição. E quanto mais nova a geração, menos esse hábito é valorizado. E um povo que lê menos, que consequentemente tem menor repertório, é mais facilmente conduzido, manipulado.

Certamente, as bandeiras levantadas hoje estão muito mais pulverizadas do que há 50 ou 60 anos atrás. Mas elas não deixaram de existir. Apenas mudaram de figurino. As lutas atualmente são muito mais individuais do que no passado. Os grandes movimentosestão dando lugar a movimentos mais sutis, porém igualmente importantes. A reflexão não é da massa. Ela é interna. E é isso que o mito de Quetzalcoátl vem anunciar.

Em 21 de dezembro de 2010, dia de um eclipse lunar, nosso blog faz uma pausa de duas semanas para um merecido descanso. Mas nossa loja virtual continua em funcionamento. Abra sua cabeça! Leia!


Adquira o livro ‘2012: o ano da profecia maia’

Preço diferenciado para quem comprar o livro ‘2012: o ano da profecia maia’, de Daniel Pinchbeck pelo site da Anadarco Editora. Aproveite esta facilidade.  Clique na imagem do livro  para acessar a loja virtual.

Faça o download gratuito da introdução de ‘2012: o ano da profecia maia’, aqui.


Lançamento do livro ‘2012: o ano da profecia maia’; veja fotos


Introdução de ‘2012: o ano da profecia maia’ com licença no Creative Commons

A Anadarco Editora está disponibilizando na internet, em formato PDF, a introdução de ‘2012: o ano da profecia maia’, do autor Daniel Pinchbeck, traduzido em português.

A introdução foi licenciada na Creative Commons para o uso gratuito e compartilhado.

O lançamento do livro acontece nos dias 11 e 12 de dezembro, das 13h às 19h, na própria sede da Anadarco (Rua Oscar Freire, 329 – cj. 71 – São Paulo, SP).

Todos estão convidados!

Para baixar a introdução de ‘2012: o ano da profecia maia’, clique aqui.

Licença Creative Commons
A obra 2012: o ano da professia maia de Daniel Pinchbeck foi licenciada com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Proibição de Obras Derivadas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em www.2012oano.wordpress.com